Liga dos Campeões: Benfica diz adeus às estrelas em noite de goleada alemã (4-0)

A vantagem partia das águias, mas foi no seu último reduto que o Dortmund eliminou o Benfica por 4 bolas a 0. As águias despedem-se assim das competições internacionais.

Liga dos Campeões: Benfica diz adeus às estrelas em noite de goleada alemã (4-0)
O Benfica despediu-se da Champions // Foto: Facebook do SL Benfica

Depois da sofrida vitória no Estádio da Luz, onde Mitroglou foi o homem-golo e Ederson uma barreira defensiva intransponível, o Benfica deslocou-se até à Alemanha para defrontar o Dortmund no seu reduto, onde partia com a vantagem de 0-1 na eliminatória. A magra margem foi facilmente ultrapassada pelos alemães, com Aubameyang a ser incontestavelmente o herói da partida com o seu hat-trick, ao qual se acrescentou um tento de Pulisic. O Benfica diz adeus às competições internacionais, enquanto que, em sentido contrário, o Dortmund avança para mais uma etapa da UEFA Champions League.

1ª parte: Golo cedo, gestão adequada

Mal o jogo começou o Benfica já não tinha qualquer trunfo. A preciosa vantagem trazida na bagagem com o tento de Mitroglou durou pouco, já que Aubameyang saltou à vontade para igualar a eliminatória na sequência de um canto, jogava-se apenas o 4º minuto da partida. Esperava-se um Benfica determinado em recuperar a vantagem, mas o que se assistiu nos 15 minutos seguintes foi a um Dortmund pressionante no ataque, frente a um Benfica sem grande determinação no plano ofensivo. O Dortmund aplicou uma intensidade incrível na partida, mas o muro benfiquista susteve a dinâmica alemã.

O capitão Luisão e o argentino Salvio estiveram em bom plano na primeira parte e o Benfica lá foi equilibrando o jogo, ainda que com alguma dificuldade, chegando a conquistar alguns cantos para colocar o Dortmund em sentido. Aos 33' os encarnados conquistaram mesmo a sua melhor oportunidade em toda a partida, quando Luisão cabeceou na sequência de um canto de Pizzi, valendo o guardião dos alemães a manter o score intacto. O 1-0 ao intervalo aceita-se e, perante o que viria a acontecer na segunda metade, é de salientar que na primeira parte o Benfica teve a tranquilidade e o rigor táctico para atenuar a avalanche ofensiva adversária impulsionada pela infernal massa adepta.

2ª parte: Máquina alemã apagou a luz da esperança

Se o Benfica partiu para o intervalo com a esperança de conseguir a eliminatória, esta não tardou a desvanecer. Se Cervi ainda conseguiu uma boa oportunidade no abrir do pano, logo a seguir Aubameyang assustava Ederson. O Dortmund continuava constante no ataque, e o Benfica parecia completamente perdido. Foi sem surpresa que, ao minuto 59, as bancadas se levantaram de alegria, com Pulisic a colocar a equipa alemã em vantagem na eliminatória. Logo a seguir a uma leitura perfeita do jogo por parte de Ederson, que culminou numa grande defesa, o Benfica não se soube organizar e sofreu, com Pulisic a conseguir facilmente colocar o esférico na baliza.

A partir daqui esperava-se uma dinâmica diferente de jogo, com o Benfica a dar o tudo por tudo, mas tal não se verificou. De facto, dois minutos volvidos havia novo festejo, e mais uma vez o Benfica ficava mal na fotografia. O autor do golo foi o inevitável Aubameyang que, sem surpresa, voltava a marcar a contar aos 85 minutos, matando completamente qualquer hipótese do Benfica seguir em frente, deixando a massa adepta em completa euforia. Na retina fica a demora de Rui Vitória em mexer na equipa, sem procurar dar o tudo por tudo, bem como o Benfica apático e desorganizado que não soube causar perigo ao adversário.

O resultado final acabou por ser justo, deixando as águias fora da Champions e resumidas à participação em competições nacionais. Já o Dortmund segue para os quartos-de-final, restando apenas saber quem será o seu adversário.


Share on Facebook