Geraldes e Pondece: Leões em construção

Depois de uma excelente primeira metade de temporada em Moreira de Cónegos, Daniel Podence e Francisco Geraldes conquistaram o direito de regressar ao Sporting no mercado de Inverno. Apesar da qualidade e potencial já demonstrados, as duas pérolas da formação leonina ainda não conquistaram em definitivo o seu espaço. Perante esta situação, há quem ponha em causa a razão pela qual os dois jogadores foram chamados de volta ao plantel de Jorge Jesus

Geraldes e Pondece: Leões em construção
Foto: Lusa

A nova temporada do Sporting trouxe consigo muitas mexidas no plantel principal, mormente entradas. Com a ambição de alcançar o título nacional, os leões foram ao mercado em busca de reforços. Tal política estava directamente ligada à colocação de jogadores que não faziam parte dos planos de Jorge Jesus para 2016/2017.

Neste grupo estavam Daniel Podence e Francisco Geraldes, dois jogadores de potencial reconhecido por todos (Jorge Jesus incluído), mas que, segundo os responsáveis técnicos do clube, precisavam de continuar a sua fase de crescimento noutras paragens. Assim, tanto Podence como Geraldes foram emprestados ao Moreirense, clube que nos últimos anos tem sido paragem frequente de jovens leões (ex.Iuri Medeiros, João Palhinha).

Ao longo da primeira metade do campeonato, e apesar do Moreirense não ocupar lugares confortáveis na tabela, os dois jogadores eram figuras de proa na equipa minhota. O ponto alto da época chegou com a conquista da Taça da Liga no final de 2016, tendo deixado pelo caminho Benfica e SC Braga até ao levantar do troféu. Neste caminho, os dois leões acabaram por ser fundamentais no momento mais alto da história do Moreirense.

Enquanto tal decorria, em Alvalade os tais “reforços” não faziam jus ao epíteto, mostrando-se incapazes de acrescentar valor ao plantel leonino. Assim, e aquando da abertura do mercado de Inverno, o Sporting procedeu a uma autêntica limpeza, vendo-se livre de alguns jogadores, que tanto pesavam na folha salarial.

O bom momento dos emprestados, a juntar à falta de qualidade dos reforços constituiu uma equação fácil de resolver: os primeiros tinham de voltar à casa-mãe. No grupo desses reforços de inverno estavam Podence e Geraldes, que assim abandonavam o Moreirense onde eram titulares indiscutíveis.

Foto: record.xl.pt
Foto: record.xl.pt

Perante a escassez de qualidade no plantel do Sporting, muitos julgavam que estes “leões do minho” ganhariam rapidamente o seu espaço no plantel, e, quiçá, no onze de Jorge Jesus. Ora tal acabou por não acontecer. Com efeito, dos dois, apenas Podence já somou minutos desde que regressou a Alvalade; já Geraldes continua à espera da sua oportunidade.

Perante este cenário, muitos se questionam acerca das razões que levaram o Sporting a chamar de volta dois jovens jogadores que passaram de titulares no Moreirense, para raramente utilizados em Alvalade, especialmente no que toca a Francsico Geraldes; tais questões ganharam outra força com a lesão prolongada de Adrien Silva, que obriga Jesus a encontrar alternativas para o miolo do meio-campo.

Foto: rr.sapo.pt
Foto: rr.sapo.pt

Apenas Jorge Jesus saberá as verdadeiras razões para não fazer alinhar Daniel Podence e Francisco Geraldes. Muitos apontam para uma questão de feitio do treinador, sendo a este frequentemente associada alguma teimosia quando se trata de mudanças tácticas. Por outro lado, também muitos darão o benefício da dúvida ao técnico, olhando para o histórico de jogadores que, em situação idêntica aos aqui abordados, foram gradualmente desenvolvendo as suas capacidades, tendo “explodido” para o palco do futebol nacional e europeu.

Um técnico tão experiente e apaixonado por futebol como Jesus, certamente que há muito que viu em Podence e Geraldes potencial para se tornarem jogadores de elite. E será exactamente por isso que o técnico leonino quer que estes continuem o seu crescimento. A história diz-nos que, quando tal acontece, os “miúdos” acabam por ganhar o seu lugar nas equipas de Jesus.

Foto: record.xl.pt
Foto: record.xl.pt

É perfeitamente normal ver o estado de impaciência dos adeptos leoninos perante esta situação; afinal de contas, no Sporting desta época é possível diagnosticar profunda escassez de talento “virgem” e jovem irreverência. Para além disso, nada alegra mais um adepto leonino do que ver os produtos da sua formação a mostrarem todo o seu futebol no maior dos palcos.

Mas quando se trata do seu trabalho, se há coisa que Jesus recusa ser é populista. Caso para dizer que os adeptos verde-e-brancos ainda terão de esperar para ver os dois jovens leões em plena acção.