A única certeza é que a Liga dos Campeões vai mudar

O final da época 2017/18 vai promover mudanças na Liga dos Campeões e os clubes com mais dinheiro vão ser privilegiados, ou seja é uma má noticia para os clubes portugueses.

A única certeza é que a Liga dos Campeões vai mudar
Liga milionária vai sofrer alterações (Foto: esporteemidia.com)

Há 60 anos, a Taça dos Campeões Europeus começou assim: 16 clubes, um por país, alinhados em eliminatórias. Não havia equipas inglesas, mas havia equipas da Dinamarca, da Escócia, da Suécia e do Sarre, e o Sporting foi o representante português. O Real Madrid foi o primeiro campeão europeu, o Stade de Reims foi o primeiro finalista vencido. Em 1955/56, uma equipa «só» tinha de fazer sete jogos para ser campeã europeia de clubes. Em 2015/16, começando da fase de grupos, precisa de 13 partidas para chegar ao título.

Num futuro próximo, podem ser mais, se for avante a intenção da UEFA de lançar um novo modelo a aplicar na Liga dos Campeões. Nada é, por enquanto, oficial e nada irá entrar em vigor até ao final da época 2017/18, que é quando terminam os atuais contratos televisivos, mas alguns pormenores sobre uma proposta de novo formato da Champions já foram veiculados nesta semana pela imprensa britânica. Mantêm-se as pré-eliminatórias, das quais sairão 16 equipas. Estas irão encontrar 16 cabeças de série numa nova eliminatória e desta ronda sairão os apurados para a fase de grupos, que passará a dividir-se em apenas dois, com oito equipas cada.

A final será entre os vencedores de cada grupo. Segundo a imprensa britânica, este novo formato está a ser trabalhado pelos grandes clubes continentais como forma de combater os emblemas da Premier League e os seus milionários contratos de direitos televisivos. Em teoria, este formato iria beneficiar os maiores clubes das maiores ligas da Europa e tornaria mais difícil a vida de clubes de ligas menos cotadas. Os jogos da fase de grupos teriam maior glamour e, portanto, seriam mais atrativos para os telespectadores.

Citando um clube envolvido na discussão com a UEFA, o jornal «The Guardian» aponta um confronto que dificilmente se iria repetir neste novo formato e que aconteceu em 2008/09, em que Real Madrid e BATE Borisov, da Bielorrússia, se encontraram por duas vezes na fase de grupos, dois jogos que terão tido audiências bastante baixas. A UEFA parece estar, assim, a tentar encontrar uma solução para contentar alguns dos maiores clubes da Europa, que já se manifestaram receptivos à criação de uma superliga europeia com clubes das cinco principais ligas do continente (Inglaterra, Alemanha, Itália, Espanha e França). Um torneio que pode, ou não, ser organizado pela UEFA e alguns dos jogos dessa prova poderiam ser disputados na Ásia ou nos EUA.

Real Madrid já leva 10 títulos (Foto: gazettapress.com)

Um dos promotores desta ideia foi o empresário norte-americano Charlie Stillitano, presidente da «Relevent Sports», que organiza o International Champions Cup, um torneio de pré-época que reúne alguns dos maiores clubes do mundo. Stillitano reuniu-se com alguns clubes de topo da Premier League e admitiu que um dos assuntos discutidos foi a reestruturação da Liga dos Campeões. A polémica rebentou quando o empresário admitiu que o Leicester, atual líder da Premier League, não teria lugar no seu formato ideal, defendendo uma liga fechada, tal como acontece no desporto profissional norte-americano. «Falemos do bolo de dinheiro criado pelo futebol e pelos adeptos em termos globais. Quem é mais importante, o Manchester United ou o Leicester?»

Para além deste projeto de proposta não oficial, mas confirmado «off the record», há propostas avulsas de outros lados. Josep Maria Bartomeu, presidente do Barcelona, diz que seria boa ideia introduzir na Liga dos Campeões um sistema de «wildcards» semelhante ao do ténis para equipas com nome que tiveram más épocas e que não conseguem chegar à Champions pela classificação nos respectivos campeonatos. «No interesse do futebol, porque não introduzir os «wildcards»? Às vezes os clubes têm uma má temporada e seria um enorme castigo não estarem na Liga dos Campeões», defende o dirigente catalão.

Para os clubes, é uma questão de tornar o futebol europeu mais atractivo e ganhar mais dinheiro com aquela que é a competição de clubes mais apelativa para o mercado internacional. E é isso que tem motivado as sucessivas mudanças de formato. A tradicional Taça dos Campeões Europeus teve a sua última edição em 1991/92, a primeira época em que se ensaiou uma fase de grupos, com dois grupos de quatro equipas a apurar os finalistas após duas eliminatórias. Na temporada seguinte, a competição passou a chamar-se Liga dos Campeões, com o mesmo formato do ano anterior a que se acrescentou uma ronda preliminar.

Em 1994-95, a competição sofreu uma nova reforma, com a expansão da fase de grupos para quatro agrupamentos, depois de uma ronda preliminar. Em 1997/98, o número de grupos aumentou para seis e, pela primeira vez, passou a incluir os vice-campeões de oito países (Portugal incluído). Para 1999/2000, a UEFA experimentou duas fases de grupos, um formato que durou quatro temporadas. A partir de 2003/04, estabeleceu-se o formato que está em vigor, com uma fase de oito grupos de quatro equipas, depois de quatro rondas preliminares.

Em 60 anos, a principal competição de clubes da Europa pode ter acumulado espetacularidade, mas perdeu diversidade. Se em 1955/56 eram 16 equipas de 16 países, em 2015-16, foram 16 equipas de dez países nos oitavos-de-final e nos «quartos» estão apenas cinco países representados. E os desejos dos maiores clubes da Europa parecem querer acentuar ainda mais esta tendência. Para já, a única garantia é que as mudanças vão acontecer.


Share on Facebook