Aquilani: um catedrático com valiosas lições

Alberto Aquilani chegou ao Sporting com um longo historial no futebol europeu. Internacional italiano e com passagens por clubes como Roma, AC Milan ou Liverpool, o transalpino aterrou em Alvalade com um estatuto intocável e que prometia acrescentar qualidade ao já por si forte meio-campo leonino. Apesar de ocasionais, a verdade é que as lições do professor italiano têm-se revelado muito úteis ao leão.

Aquilani: um catedrático com valiosas lições
Aquilani: um catedrático com valiosas lições

Perante um meio-campo com Adrien Silva, João Mário, William Carvalho e André Martins, o técnico Jorge Jesus cedo verificou que o miolo leonino precisava de um elemento polivalente, experiente e de créditos firmados para equilibrar com a juventude e irreverência do plantel existente na altura. Tal homem acabou por vir de Itália, o seu nome: Alberto Aquilani, jogador de 31 anos, de qualidade indubitável e para quem o futebol não traz qualquer segredo.

Ao longo da sua carreira, Aquilani desempenhou funções diferentes no meio-campo, alternando entre a posição mais defensiva e o denominado trequartista, o médio mais avançado. No Sporting de Jorge Jesus não pareciam haver grandes dúvidas, o italiano jogaria primordialmente na chamada posição "8", um médio que alterna entre o equilíbrio defensivo e o apoio ao ataque.

O crescimento exponencial de Adrien não permitiu ao italiano ter tantos minutos como seria de esperar, todavia, Aquilani tem sabido aproveitar as oportunidades que lhe são dadas, outra coisa não seria de esperar num jogador com a sua categoria e inteligência.

Jesus tem colocado o italiano no lugar de Adrien, contudo, o técnico leonino já deu ao italiano funções de médio mais recuado. Tal cenário surgiu com mais frequência no início da época, numa altura em que William recuperava de lesão; contudo, e já depois do regresso do internacional português, Aquilani já jogou na posição "6", em cenários onde Jesus procurava maior pendor ofensivo e dinâmica no meio-campo verde-e-branco.

Apesar da polivalência, a verdade é que o médio transalpino parece ter maio rendimento enquanto médio de transição. Apesar de não ter grande velocidade e capacidade de explosão, Aquilani compensa de sobremaneira com a sua apurada capacidade de posicionamento e leitura de jogo (não fosse Aquilani um licenciado da escola italiana), podendo antecipar o desenrolar da jogada.

A juntar a estes valiosos atributos, o médio junta uma técnica apurada e maturada ao longo de 17 anos de futebol, sendo assim um jogador fundamental quando chega a altura de segurar o jogo e fazer circulação de bola. Não será aos 31 anos que o italiano irá adoptar por completo o vertiginoso estilo de jogo de Jesus, contudo, e para bem do treinador leonino e da equipa, Aquilani é aquele que entra para por um travão na correria e acelerar o pensamento e pragmatismo da equipa quando ela necessita.


Share on Facebook