Os centrais do Sporting: cinco leões para dois tronos

Desde há muito que para os lados de Alvalade se procuram defesas centrais de categoria inegável. A partir da saída de André Cruz, no inicio do novo século, que o Sporting procura o famigerado "patrão da defesa". Com a chegada de Jesus, os leões tentaram remediar essa situação; para além disso,e com o mercado de Inverno, o técnico leonino viu-se com cinco opções para a zona central, opções de qualidade e que dão ao treinador as possibilidades de construir uma defesa sólida.

Os centrais do Sporting: cinco leões para dois tronos
Coates e Rúben Semedo são duas das opções para o eixo da defesa (foto:cmjornal.xl.pt)

A nova época em Alvalade trouxe enormes mudanças, mormente a nível de orientação técnica. Quando Jorge Jesus chegou a Alvalade terá verificado algum défice qualitativo em algumas vertentes do plantel, entre as quais a zona central da defesa. Aquando da chegada de Jesus, o técnico tinha ao seu dispor Paulo Oliveira, Ewerton, Rúben Semedo e Tobias Figueiredo.

Assim, e perante esta situação, o técnico leonino pediu que lhe encontrassem mais uma solução para o eixo da defesa, tendo daí resultado a chegada do brasileiro Naldo. Devido à lesão de Ewerton e ao empréstimo de Rúben Semedo ao Vitória de Setúbal, o treinador do Sporting apostou na dupla Paulo Oliveira/Naldo para o ínicio da temporada.

Foto: record.xl.pt
Foto: record.xl.pt

Com o passar do tempo Ewerton acabou por recuperar da lesão, tornando-se opção válida para Jesus, permitindo ao técnico alguma rotação no que a centrais diz respeito, todavia o final de 2015 trouxe más notícias. As lesões de Tobias Figueiredo e de Naldo, às quais se juntou a de Paulo Oliveira já em 2016, obrigou os leões a irem ao mercado.

Em primeiro lugar, Jesus chamou de volta Rúben Semedo para colmatar de imediato as indisponibilidades; posteriormente os leões foram a Inglaterra buscar, por empréstimo, Sebastian Coates, central do Sunderland. O uruguaio entrou bem na equipa, fazendo dupla com o Rúben Semedo e Ewerton em jogos distintos. As recuperações de Tobias e Naldo deixaram Jesus com cinco opções para o eixo da defesa, cinco que se transformarão em seis com o regresso de Paulo Oliveira.

Não se pode dizer que há falta de qualidade no que a centrais diz respeito, a principal questão parece tocar no entrosamento e coordenação necessária para o bom desempenho defensivo da equipa. Tais virtudes advêm de uma natural familiaridade da dupla em campo, conseguida após um perído de tempo significativo.

Ou seja, não é um problema de qualidade, mas sim de aquisição de rotinas. Jesus tem feito algumas mudanças no eixo da defesa nos últimos jogos; forçadas ou não, estas alterações poderão ser sinal de que o treinador do Sporting ainda busca a sua melhor dupla de centrais, ou então serão indicativo da confiança que Jorge Jesus tem em todos os seus defesas centrais.

Os leões são, neste momento, a segunda melhor defesa da Liga, um registo que, para além de outros factores, depende muito da eficácia dos seus centrais. Não será por falta de qualidade defensiva que o Sporting não alcançará os seus objectivos; numa zona do terreno onde não parecem haver lugares marcados, resta saber quais serão os passageiros mais frequentes da nau leonina.


Share on Facebook