Belenenses x Benfica: Mitroglou e Jonas servem 5 pastéis de Belém e alimentam liderança encarnada

O SL Benfica aplicou mais uma goleada e a vítima foi, desta vez, o Belenenses. As águias venceram por 0-5 e garantiram  a  liderança provisória da Liga NOS.

Belenenses x Benfica: Mitroglou e Jonas servem 5 pastéis de Belém e alimentam liderança encarnada
Belenenses x Benfica: Mitroglou e Jonas servem 5 pastéis de Belém e alimentam liderança encarnada

A contar para a jornada 21 do campeonato, o SL Benfica deslocou-se ao Restelo para esmagar  o Belenenses por 0-5. Os  3 golos de Mitroglou e os  2 de Jonas esmagaram os homens da casa e deixam agora a pressão para o lado do Sporting, que perdeu de forma provisória a liderança.

Primeira  parte: Grego Mitroglou aplicou golo de austeridade ao luso  Ventura

O histórico derby entre Belenenses e  Benfica abriu a jornada 21 da Liga NOS, com os encarnados a alterarem apenas uma peça no xadrez de jogo. Com Lindelof no lugar de Lisandro López, as águias entraram nas 4 linhas no Restelo para arrecadar provisoriamente a liderança do Campeonato. Com a bola a rolar no Restelo saiu o Belenenses, mas foram os encarnados a perder uma ocasião clara para inaugurar o marcador com Gaitán a desperdiçar um passe incrível de Pizzi. Uma  asneira de ventura pouco depois quase ofereceu o golo ao Benfica, mas Jonas  não deu sequência ao erro do guardião da Cruz de Cristo.

No primeiro quarto de hora, destaque para uma sucessão de passes falhados do Belenenses que o Benfica não soube transformar em golos. As águias entraram fortes e pressionantes, empurrando os jogadores  da casa para a sua defesa. O irrequieto Pizzi continua endiabrado e esteve em evidência na forma como levou o esférico para zonas de finalização, faltando, no entanto, maior critério na hora de balançar as redes de Ventura.  Ao minuto 21, Carlos Martins puxou o gatilho e atirou pela primeira vez para os homens da Cruz de Cristo, com a bola a passar perto do poste de Júlio Cesar. À passagem do minuto 27, Nico Gaitán pegou no esférico, fintou dois oponentes e foi parado em falta por Rúben Pinto. Na sequência do livre Mitroglou colocou a bola na baliza mas o lance foi anulado por fora de jogo.

As águias voaram para a área contrária durante meia hora com uma circulação de bola intensa mas sem grandes chances de servir pastéis de Belém ao seu adversário. Neste período, nota de destaque para a subida no terreno de André Almeida, que encontrou espaço e rematou do meio da rua com a bola a passar muito perto do alvo. O Sueco Lindelof foi aplaudido numa jogada que poderia ter causado problemas ao guardião encarnado. O central sueco cortou de forma limpinha e no global fica o registo para uma boa estreia do defesa enquanto titular.

Na troca de bola rápida do Benfica nos derradeiros minutos da primeira parte, relevo para Renato Sanches, que esteve incansável a dinamizar o jogo das águias. Curiosamente, foi dos pés de Renato que, ao minuto 42, surgiu o lance do golo. O médio caminhou com o esférico, colocando em Pizzi que assustiu o avançado Mitroglou para o primeiro da partida. O ponta de lança cabeçeou e Ventura viu-se grego para segurar a bola. Em vantagem na altura certa o Benfica galvanizou-se e asfixiou o Belenenses, com nota para um lance delicioso de Renato que quase ampliou o marcador.

Em tempo de intervalo fica o registo para o 0-1 a favor dos encarnados, sendo um resultado inteiramente justo. Os protagonistas do golo foram os melhores da equipa de Rui Vitória mas Renato Sanches esteve claramente acima de Pizzi e Mitroglou. O jovem da cantera das águias foi um quebra cabeças para a defesa contrária e foi dos seus pés que surgiu o futebol esclarecido que em algumas fases o Benfica praticou. Os homens da Luz dominaram o primeiro tempo mas faltou maior poder de decisão nos últimos 30 metros, para sair para o descanso com um score mais dilatado. O Belenenses rematou apenas uma vez por Carlos Martins, ficando o registo para um jogo muito desorganizado dos jogadores da Cruz de Cristo.

Segunda parte: Avalanche goleadora

Para os segundos 45 minutos o Benfica deu o pontapé de saída e logo no lance inicial Pizzi provocou o caus na defesa do Belenenses, valendo a defesa de Ventura a evitar o golo do português. Na resposta, Jardel deu espaço e, não fosse a atenção de Júlio Cesár a cortar, o Belenenses poderia ter empatado. Pouco depois novamente o Belém a criar perigo, desta feita nos pés de Miguel Rosa que bombardeou, levando o esférico a tirar tinta ao poste. Como quem não marca sofre, o Benfica não facilitou e quem mais do que Jonas para ampliar a vantagem? O brasileiro surgiu solto e rematou em arco, balançando as redes contrárias com um golo de belo efeito.

O Belenenses respondeu ao golo 22 de Jonas na Liga e obrigou Júlio Cesár a uma defesa de difícil execução. As águias não gostaram da audácia do seu adversário e Pizzi cavalgou em direção à área, servindo de bandeja outro pastel a Mitroglou que só teve de empurrar para o 0-3. Pizzi esteve em grande, tirando um oponente do caminho e colocando a bola bem ao jeito do grego, que já leva 10 tentos na Liga NOS. A reação do Belenenses foi novamente incrível, mas a diferença na eficácia foi abismal. O atacante Miguel Rosa surgiu sozinho na área, mas o imperador Júlio Cesár manteve as suas redes invioláveis.

O guardião brasileiro esteve novamente extraterrestre e negou o golo a Carlos Martins na sequência de um livre directo. A segunda parte foi frenética e resume-se na eficácia fantástica dos Benfiquistas, a contrastar com a falta de critério da equipa da Cruz de Cristo na hora de bater o guardião das águias. Nos últimos 15 minutos o Benfica limitou-se a gerir a posse de bola, mas sem nunca largar a baliza de Ventura. O certo é que não só não largaram as redes de Ventura, como Mitroglou não quis ficar por ali. O internacional grego completou o hat-trick de forma serena, deixando Ventura para trás e atirando para o fundo das redes. Para não deixar o grego sozinho, Jonas voltou a fazer um gosto ao pé e deu sequência a uma arrancada supersónica de Carcela, chegando à marca dos 23 golos em 21 jogos na Liga.

Nesta segunda parte diabólica os encarnados deram uma lição de eficácia ao Belenenses e com mais uma goleada assumem provisoriamente a liderança do Campeonato, pressionando o Sporting que apenas entrará em campo segunda-feira. As águias venceram justamente esta partida e a VAVEL Portugal destaca as exibições de Renato Sanches no meio-campo, sendo já um caso sério de regularidade na forma como tem dinamizado as transições da defesa para o ataque, encontrando sempre uma linha de passe para dar sequência aos lances que inicia. Já o internacional português Pizzi soma e segue nas assistências, e justifica cada vez mais o investimento feito pela conta total do seu passe.

Finalmente, Mitroglou e Jonas são cada vez mais máquinas mortíferas de fazer golos, deixando os adversários KO. O grego chegou esta noite à dezena de golos no Campeonato e o incrível Jonas atingiu a marca astronómica dos 23 tiros certeiros. O internacional igualou Higuaín no topo dos melhores marcadores dos Campeonatos Europeus e perfila-se cada vez mais como um sério candidato a conquistar a Bota de Ouro. O Belenenses apanhou pela frente um Júlio César impenetrável, não conseguindo converter nenhuma das 5 oportunidades de golo da 2ª parte.

Apesar da fraca produtividade da primeira parte, Rui Vitória retificou algumas posições táticas na equipa, com o Benfica a chegar à nona goleada na Liga NOS.

Benfica lidera à condição

Com a vitória desta noite, os comandados de Rui Vitória somam 52 pontos no Campeonato e ocupam provisoriamente o primeiro lugar da tabela. Os encarnados têm mais um ponto que o Sporting, que apenas entrará em campo na próxima segunda-feira frente ao Rio Ave. Os benfiquistas estão claramente melhor do que no início da temporada e atingiram nesta noite de sexta-feira a 11ª vitória consecutiva. Em 21 jogos as águias já balançaram as redes contrárias por 58 ocasiões com Jonas e Mitroglou a contribuírem juntos com 33 tentos para esta contagem.

A vítima desta jornada foi o Belenenses que, ainda assim, não teve receio de enfrentar os encarnados, criando perigo evidente para as redes de Júlio César. Os homens da Cruz de Cristo ocupam o mesmo 10º lugar, com 25 pontos, encontrando-se relativamente confortáveis na luta pela permanência no principal escalão do futebol português.  


Share on Facebook