Arouca x Sporting : uma vitória com sabor amargo

O golo de Marvin Zeegelaar de pouco serviu à formação de Jorge Jesus que viu o Portimonense apurar-se para as meias-finais da competição.

Arouca x Sporting : uma vitória com sabor amargo
"Leões" vencem mas ficam pelo caminho na Taça da Liga (foto: maisfutebol/Lusa)

Numa partida a contar para a 3ª jornada da fase de grupos da Taça CTT, o Sporting deslocou-se ao Estádio Municipal de Arouca e bateu a equipa anfitriã por uma bola a zero. Uma vitória amarga, uma vez que os leões acabaram por ficar pelo caminho após a derrota da passada semana com o Portimonense. 

Sporting pouco personalizado para um Arouca mais perigoso

Consciente da importância soberana do Campeonato Nacional e das hipóteses residuais da equipa de Alvalade em apurar-se para a próxima fase da competição, Jorge Jesus protagonizou várias alterações no onze inicial relativamente ao jogo de Paços de Ferreira. Na baliza fez estrear o jovem Azbe Jub, que protagonizou uma exibição segura, e fez alinhar suplentes habituais como Schelotto e Marvin Zeegelaar, assim como Tanaka, Montero, Matheus Pereira, Ricardo Esgaio e André Martins.

Fruto das muitas alterações  e da consequente falta de entrosamento entre os elementos habitualmente menos utilizados por Jorge Jesus, o Sporting protagonizou uma primeira metade da partida pouco dinâmica, tendo sido muitas vezes permeável em termos defensivos. Sobretuto a partir das costas dos seus defesas laterais, Marvin Zeegelaar e Schelloto, que dado o seu posicionamento particularmente subido, deram espaço a Nildo e a Mateus que pela sua velocidade conseguiram ir assustando a baliza leonina.

Jorge Jesus fez grandes alterações no onze titular (Foto: César Santos - Sporting Clube de Portugal)
Jorge Jesus fez grandes alterações no onze titular (Foto: César Santos - Sporting Clube de Portugal)

Destaque igualmente para o avançado-centro Walter González, que muito lutou na primeira metade da partida, dando profundidade ao ataque do Arouca, mas que foi perdendo rendimento ao longo do jogo pecando pelo elevado esforço físico dispendido nos primeiros quarenta e cinco minutos. Já Karl foi uma peça-chave na ligação entre o sector defensivo e o ofensivo da equipa anfitriã. O Arouca conseguiu criar perigo sobretudo a partir do contra golpe e de uma jogada de bola parada.

Na primeira parte da partida, o Sporting foi acusando a falta de rotina entre os jogadores lançados no onze inicial por Jorge Jesus, tornando o seu jogo previsível e pouco ameaçador, tendo bola mas circulando-a com pouco critério e dinâmica e perdendo-a rapidamente no último terço do terreno para um Arouca eficaz em termos defensivos.

Para além disso, sentiu-se a falta um elemento criativo que pudesse ligar os sectores leoninos com eficácia e pautar o jogo da equipa de Alvalade. Os leões careceram ainda de um elemento ofensivo que acrescentasse profundidade e que pudesse arrastar marcações, causando desequilíbrios a partir da sua presença física. Ao intervalo, o 0-0 que não servia de todo a um Sporting com esperanças iniciais muito tímidas relativamente a um apuramento.

Mané, Gelson e Podence para mexer com o jogo

Consciente do fraco rendimento da equipa de Alvalade nos primeiros quarenta e cinco minutos, Jorge Jesus fez saltar do banco  Gelson Martins e Carlos Mané para os lugares de André Martins e Matheus Pereira. A dupla substituição surtiu efeito. Os dois jovens jogadores da formação de Alvalade revitalizaram a equipa, dando-lhe maior rapidez nos processos ofensivos e agitando o último terço do terreno, proporcionando a partir das suas investidas algumas oportunidades de golo, sendo que antes do tento leonino, a melhor oportunidade surgiu dos pés de Carlos Mané que ao minuto 73 obrigou Rui Sacramento a uma excelente intervenção.

(Foto: César Santos - Sporting Clube de Portugal)
(Foto: César Santos - Sporting Clube de Portugal)

A entrada do jovem Daniel Podence, que substituiu Tanaka aos 59 minutos da partida, foi igualmente benéfica para a dinâmica da equipa forasteira. Podence deu verticalidade ao corredor central do Sporting, tendo sido uma mais valia a partir da sua velocidade e da sua qualidade de passe.

Na ala esquerda, Marvin Zeegelaar - reforço de inverno de Jorge Jesus  oriundo do Rio Ave  - esteve bem no capítulo ofensivo, acrescentando profundidade, ainda que a nível defensivo, e tal como Schelloto, não tenha estado particularmente bem.

Quanto à equipa do Arouca,  ia, em oposição ao Sporting, perdendo progressivamente rendimento e baixando as suas linhas. Tentava de quando em vez surpreender a equipa verde e branca a partir do contra golpe, ainda que de uma forma pouco eficaz e ameaçadora.

Momento-chave: O golo de Marvin Zeegelaar

Decorria o minuto 81, quando a partir de um livre frontal e próximo da baliza de Rui Sacramento, Montero rematou e proporcionou uma enorme defesa ao guarda-redes da equipa da casa. Na recarga, e por via de um cabeceamento de fácil execução, o lateral esquerdo de 25 anos, Marvin Zeegelaar apontou o único tento da partida que permitiu ao Sporting somar mais 3 pontos no grupo A da Taça CTT que, no entanto não foram suficientes para garantir o apuramento.

(Foto: César Santos / Sporting Clube de Portugal)
(Foto: César Santos / Sporting Clube de Portugal)

Daí em diante o Sporting procurou controlar a vantagem, sendo que a equipa do Arouca não conseguiu criar nenhuma ocasião particularmente perigosa até ao termo da partida.


Share on Facebook